Audição para dançarinos: duo francês realiza convocatória para performance na Fundação Iberê Camargo

31.ago.18

Composto pelos coreógrafos franceses Annie Vigier e Franck Apertet, o coletivo les gens d’Uterpan apresentará pela primeira vez no Brasil a performance Pièce en 7 morceaux, como parte dos programas da exposição Subversão da Forma, na Fundação Iberê Camargo.

O ponto de partida de Pièce en 7 morceaux é a célebre foto de Philippe Halsman (1951), mostrando Salvador Dalí rodeado por corpos que formam a imagem de um crânio. A performance parte dessas sete posições físicas, encenadas por um grupo de dançarinos que exploram os espaços expositivos que recebem a ação. O projeto já foi ativado anteriormente no Musée d’Art Moderne de la Ville de Paris (França, 2018); no MAXXI Museo nazionale delle arti del XXI secolo, Roma ( Itália, 2014); e no CAC Brétigny (França, 2009).

Para ativar Pièce en 7 morceaux em Porto Alegre, em novembro e dezembro, Vigier e Apertet realizarão audições para encontrar 7 dançarinos (homens e mulheres) e as informações completas estão disponíveis no edital abaixo. O prazo para as candidaturas é 19 de outubro de 2018 e a audição ocorrerá no dia 21 de novembro de 2018, em Porto Alegre.

Convocatória – Pièce en 7 morceaux

A performance é uma realização da Fundação Iberê Camargo em parceria com o Institut Français em Paris, Institut Français do Brasil, Consulado Geral da França em Sao Paulo, Aliança Francesa de Porto Alegre.

Annie Vigier e Franck Apertet, nascidos respectivamente em 1965 e 1966, trabalham em Paris desde 1994 sob o nome de les gens d’Uterpan. Os coreógrafos constroem um diálogo crítico entre contextos de performance, sistemas de espetáculos ao vivo, espaços e práticas artísticas. Intervindo em diferentes estruturas de exposição ou adaptando seu trabalho a elas, a dupla formula novas modalidades de aparições, produção e interpretação da dança. Sua interpretação da presença física questiona as posições ocupadas tanto pelo espectador (Parterre, 2009) como pelo coreógrafo (Caster, 2009) nesse processo. Além disso, iniciando colaborações entre trabalhadores de diferentes áreas da cultura, sua abordagem também integra as estruturas econômicas como um componente artístico do trabalho.

Foto: Steeve Beckouet Cortesia: CAC Brétigny