Maria Coussirat Camargo – uma cronologia

09.maio.20

“Sombra e luz de Iberê”, como definiu o crítico de arte Paulo Herkenhoff, Maria Coussirat nasceu em 28 de novembro de 1915, em Porto Alegre, RS.

Foi em 1939 que Iberê Camargo a conheceu. Reconhecendo o talento do marido, Maria começou cedo a guardar sua produção e o acompanhou nas mudanças e viagens que a carreira de pintor exigiria.

Era a sombra, mas também protagonista. “Esteio seguro e sereno, Maria assumiu a organização da vida prática do marido. Ela era a responsável pela manutenção das necessidades cotidianas do casal, bem como pelos contratos, envio de cartas, administração de finanças, importação de tintas, despacho de obras e, claro, guarda da produção artística. Tarefas estruturantes, sem as quais pouco se avança; todavia, tarefas submersas, longe dos olhos e, por conseguinte, passíveis de esquecimento e menção”, destaca Paula Ramos.

Maria viveu ao lado de Iberê até o seu falecimento, em 1994. Um ano depois, com amigos e empresários, ajudou a criar a Fundação Iberê Camargo, instituição que atua na preservação da memória do artista.

Integrando a mostra “Iberê Camargo: O Fio de Ariadne“, a cronologia ilustrada de Dona Maria, como era conhecida, revela seu suporte fundamental ao trabalho de Iberê.


 

MARIA CRUZ COUSSIRAT CAMARGO 

(Porto Alegre, RS, 1915 – 2014)

 

Maria Cruz Coussirat nasceu no dia 28 de novembro de 1915, em Porto Alegre, RS.

Filha de Ladislau Coussirat Júnior, conhecido como “Lalau”, e de Felicidade Cruz Coussirat, a “Dona Nena”, teve uma única irmã, Eunice Cruz Coussirat, também sua grande amiga.

Felicidade Cruz, Eunice, Maria e Ladislau Coussirat, Porto Alegre, 1920

 

Na 1a. foto: Maria, Ladislau, Felicidade Cruz e Eunice Coussirat. Na 2a. foto: as irmãs Eunice e Maria Coussirat, Porto Alegre, 1928

 

Maria, Felicidade Cruz, Eunice e Ladislau Coussirat, Porto Alegre, 1927

 

As irmãs Eunice e Maria Coussirat no jardim de entrada da residência da família, Porto Alegre, c.1934

 

As irmãs Eunice e Maria Coussirat caminhando na Rua da Praia, Porto Alegre, 1932

 

As irmãs Eunice e Maria Coussirat caminhando na Rua da Praia, Porto Alegre, c.1940

 

Ao contrário de Iberê, cuja mocidade no interior do Estado havia sido culturalmente limitada, Maria tivera acesso, desde cedo, a um cenário diferenciado.

A minha mãe gostava muito de pintar. A família da minha mãe, aliás, era totalmente da arte, da música… Todas as mulheres tocavam piano, cantavam. Eram pessoas intelectualizadas, digamos assim.

 

Felicidade Cruz Coussirat na entrada de sua residência, Porto Alegre, 1935

 

Ladislau, Maria e Felicidade Cruz no jardim da residência da família, Porto Alegre, 1935

 

Página de álbum. Ladislau e Felicidade Cruz no jardim de sua casa, Eunice Coussirat, Maria Coussirat e não identificada, Porto Alegre, 1935

 

Lalau e Nena não dispunham de grandes posses, mas investiram na educação das filhas. A formação de Maria foi no Sévigné, instituição católica que atendia à maioria das moças da “boa sociedade” gaúcha. Ali, ela realizou o Curso Complementar, recebendo do Ginásio Estadual Sévigné, em 1935, o diploma que lhe permitia atuar como professora de educação infantil.

 

Zilah Totta(?) e Maria Coussirat junto ao lago do Parque da Redenção, Porto Alegre, c.1940

 

Maria estudou Pintura no Instituto de Belas Artes (IBA) da Universidade de Porto Alegre – atual Instituto de Artes da UFRGS –, de 1937 a 1940 e trabalhou, por um curto período, como professora na rede pública.

Iberê, vivendo em Porto Alegre desde 1936, era funcionário da Secretaria de Obras Públicas. À noite, frequentava o Curso Técnico de Arquitetura, oferecido pelo mesmo IBA desde março de 1939. Foi nessa época que se conheceram. 

Casaram-se em 8 de novembro de 1939.

 

Iberê e Maria Coussirat Camargo no jardim da residência de seus pais, Porto Alegre, 1939

 

Página de álbum. Na foto superior à direita: Iberê, Maria e Eunice Coussirat. Abaixo: Ladislau, Felicidade Cruz, Maria e Iberê Camargo, Porto Alegre, c.1939

 

Com tela e tintas de Maria, Iberê pintou seu primeiro quadro, junto ao curso d’água que atravessava a Cidade Baixa de Porto Alegre, hoje canalizado como Arroio Dilúvio. O próprio artista o revela, no texto O riacho, escrito em 1993:

[…] Casas corroídas pelo tempo espelhavam-se em suas águas turvas, que, como os espelhos, refletem, mas, como esses, não guardam imagens. Lembro-me dos salgueiros-chorões que tocavam com seus longos ramos esse espelho baço. Canoas coloridas ancoradas às margens; outras vezes, movimentando-se preguiçosas à força de remos indolentes.

Essa visão instigou jovens estudantes de belas-artes, entre eles, Maria, minha mulher. Foi ali, à margem desse riacho, que pintei meu primeiro quadro e onde começou nosso namoro. Com espessa pasta – a tela e as tintas eram dela – fixei a luz fugitiva dessa manhã de sol sobre aquelas águas lodosas. Árvores desgalhadas, surradas pelo vento, apontam para um céu de cobalto. Plasmei essa imagem: assim começa o pintor.

 

Eunice, Maria e Iberê Camargo caminhando na Rua da Praia, Porto Alegre, 1939

 

Maria passou a administrar o ateliê de Iberê e a vida doméstica. Organizava toda a sua produção e arquivava cartas e anotações, auxiliando na futura construção da memória do artista. Nesse processo, seguiu à risca os conselhos de sua mãe:

Quando o Iberê começou realmente a se dedicar à pintura, a mamãe me disse: “Maria, tudo o que o Iberê fizer, tudo, nem que seja um papelzinho assim, pequeno… tu guardas”. Foi o que eu fiz.

 

Iberê e Maria no Baile de Formatura da Medicina, Porto Alegre, 1941

 

Após o casamento, vivendo com os sogros e dispondo da compreensão e do envolvimento deles, Iberê transformou a sala de estar da família em espaço de trabalho, tendo a esposa como modelo. 

Diante da produção que aumentava, os pais de Maria cederam os fundos da casa, na Rua Lima e Silva, para a construção do primeiro ateliê do artista, erigido com ajuda de Vasco Prado (1914–1998), também colega na Secretaria de Obras Públicas. Foi naquele galpão de madeira que os dois passavam os finais de semana desenhando, pintando e modelando a partir da observação de pessoas que contratavam nas fieiras da “Sopa do Pobre”.

 

Maria e Iberê no primeiro ateliê do artista, na rua Lima e Silva, Porto Alegre, 1942

 

Quando o casal se mudou para o Rio de Janeiro, em 1942, Maria tentou transferência de seu cargo como professora, mas sem sucesso. Suas aptidões em desenho a credenciaram a trabalhar na área de arquitetura e construção civil, fazendo desenhos técnicos e de perspectiva. Passou pela Oliveira Lima e pela Companhia Construtora Pederneiras. Às telas e às tintas, não voltaria mais.

Como seria para duas pessoas se manterem? Não dava. Isso é uma coisa que envolve muito esforço; é preciso se dedicar só àquilo. E, além de tudo, a gente sente a inconsistência do próprio trabalho. Eu ainda tenho uns trabalhos por aí… Mas, depois da escola, eu nunca mais fiz nada-nada-nada, porque comecei a trabalhar com arquitetura.

 

Iberê e Maria com cavalete para pintura ao ar livre, Porto Alegre, 1947

 

Maria Coussirat Camargo, Porto Alegre, 1947

 

Durante muitos anos, Maria e Iberê viveram em rígida austeridade financeira. Moravam em pensões, alimentavam-se de modo frugal e se mantinham, substancialmente, graças ao salário dela. A bolsa de estudos recebida por Iberê do Governo do Estado do Rio Grande do Sul custeava, quando muito, a compra de materiais para a pintura.

Ao chegarmos ao Rio, em uma ocasião, o Iberê estava tão, mas tão abalado… Foi uma coisa horrível. E eu dizia pra ele: “Nada disso, tu tens que ir pra frente”. […] Ele jamais iria desistir, mas ele poderia ter tido um caminho muito mais difícil, se não tivesse uma pessoa que o auxiliasse.

 

Maria Coussirat na Piazza di Spagna, Roma, janeiro de 1949

 

Maria Coussirat Camargo em Paris, 1949

 

Maria e Iberê Camargo em Roma, c.1949

 

Luiza Barroso e Maria em Paris, 1949

 

Maria Coussirat Camargo em Paris, 1949

 

Maria foi assumindo, cada vez mais, a organização da vida prática do marido. Ela era a responsável pelos contratos, envio de cartas, administração de finanças, importação de tintas, despacho de obras e, claro, guarda da produção artística. Tarefas estruturantes, sem as quais pouco se avança.

 

Maria Coussirat Camargo, no Rio de Janeiro, 1952

 

Antonio Olinto, Gerci, Maria, Iberê, Maria Barreto e Herbert Moses, Rio de Janeiro, 1953

 

Protesto contra os impostos sobre a importação de tintas estrangeiras: Iberê e Maria Camargo com Sônia Ebling no Salão Miniatura, Rio de Janeiro, 1955

 

Maria, Heloisa Aranha, Luiz Aranha, […], Elsie Lessa e Iberê na abertura da exposição na galeria GEA, Rio de Janeiro, 1958

 

Maria e Iberê no ateliê da rua das Palmeiras, Botafogo, Rio de Janeiro, 1963

 

Maria produzindo registro fotográfico da obra “Espaço com figura IV”, no terraço do ateliê do Rio de Janeiro, 1965

 

Quando Maria conheceu Iberê, ele já tinha uma filha, Gerci, fruto de um relacionamento da juventude. Diante da conjuntura pessoal, mas, sobretudo, profissional e econômica, o casal optou por não ter filhos.

A gente não tinha condições. Financeiramente, não se podia ter. […] ‘Quem casa, quer casa’, não é assim? Nós moramos muito tempo em pensão. Em 1947, quando o meu pai morreu, eu recebi um dinheiro com o qual compramos um apartamento no Rio. Era um apartamento simples, de quarto e sala. Mais tarde, nós nos mudamos. […] Olha: necessidades, nós nunca passamos, mas era tudo muito regrado. Aí, nessa situação, ter filho como? […] Eu sou muito realista. Sou pé no chão.

 

Maria e Iberê em Genebra, durante a execução do painel para a Organização Mundial da Saúde, abril de 1966

 

Iberê, Maria e assistente durante a produção do painel para a Organização Mundial da Saúde, Genebra, 1966

 

Maria e Regina em Paris, junho de 1966

 

Maria em viagem a Roma, julho de 1966

 

Maria e Iberê a bordo do navio Giulio Cesare, setembro de 1966

 

Iberê e Maria em viagem do Rio de Janeiro a Porto Alegre, 1969

 

Maria, Dr. Chistóvão de Moura, […] e Lilian Dantas no ateliê da rua das Palmeiras, Rio de Janeiro, 1971

 

[…], Doralice, Maria e Oscar Niemeyer a bordo do navio Cristoforo Colombo, em viagem à Europa, 1973

 

Grupo de amigas. Em pé, da esquerda para a direita: Sueli Lentz, Inah Medeiros, Zilah Totta, Nêmora Lubisco Graeff, Hortense da Costa Franco Medeiros, Zilda Caldas e Angela da Costa Franco Jobim. Sentadas: Eunice, Maria e Felicidade Cruz Coussirat, Porto Alegre, déc.1970

 

Em 1982, quando eles retornam ao Rio Grande do Sul, é Maria, mais uma vez, quem articula tudo, instalando o casal, primeiramente, na Rua Lopo Gonçalves, com o auxílio de Dona Nena e de Eunice. Logo, ela passa a procurar um terreno para a construção do conjunto de casa e ateliê, inaugurado em 1988, no Bairro Nonoai.

 

Maria, Iberê e o gato Martim na residência da rua Lopo Gonçalves, Porto Alegre, 1983

 

Maria produzindo registro fotográfico de seu retrato, Porto Alegre, agosto de 1984

 

Maria, Iberê autografando o livro “Iberê Camargo” (o primeiro lançado sobre sua vida e obra) e Pietro Maria Bardi, São Paulo, 1985

 

Wilson Coutinho, Bernardete Cavalcanti, Maria, Iberê e Fayga Ostrower, na entrega do prêmio Golfinho de Ouro a Iberê, Teatro Municipal do Rio de Janeiro, 1985

 

O espaço passou a ser frequentado por amigos, artistas, fotógrafos, intelectuais, colecionadores, galeristas e estudantes. Reconhecidos no Rio de Janeiro como excelentes anfitriões, sempre com as portas abertas, Iberê e Maria alimentaram essa reputação também no Sul.

 

O músico Sivuca, Iberê, Maria e amigos, no ateliê da rua Lopo Gonçalves, Porto Alegre, 1986

 

Maria na residência da rua Lopo Gonçalves, Porto Alegre, fevereiro de 1987

 

Iberê e Maria na residência da rua Lopo Gonçalves, Porto Alegre, fevereiro de 1987

 

Iberê e Maria no ateliê do bairro Nonoai, Porto Alegre, 1988

 

Iberê e Maria acompanham a finalização ds obras do ateliê do bairro Nonoai, Porto Alegre, agosto de 1989. Foto © Marinho Neto

 

Maria continuava mantendo tudo organizado e sem esbanjamentos. Em sua pequena estatura, invariavelmente discreta, elegante e determinada, era uma fortaleza, que só minguou com o agravamento e a morte do companheiro de uma vida.

No período final, quando o Iberê foi hospitalizado, levado para a emergência, colocaram ele numa caminha […], e ele era um homem grande e então ficou ali, sem jeito, no meio daquele monte de gente, me procurando com o olhar, querendo que eu ficasse com ele. […] Quando finalmente conseguimos ir para o quarto, ele me olhou e disse: “Tu me perdoas? Diz que tu me perdoas”. E eu disse: “Eu não tenho nada que te perdoar, Iberê. Tu sempre foste uma pessoa maravilhosa”.

 

Amigos, Maria e Iberê no aniversário do artista, residência do bairro Nonoai, Porto Alegre, 1990. Foto © Luiz Eduardo Achutti

 

Lia Raffainer, Maria e Iberê na abertura da exposição retrospectiva de gravuras do artista no Espaço Cultural Banco Francês e Brasileiro, Porto Alegre, 1990

 

Solidão, a pintura-testamento de Iberê que parecia querer expressar o desejo angustiado de seguir pintando e, com isso, vencer a finitude , foi executada numa madrugada, em meio a intensas dores físicas. Iberê não tinha como dar continuidade ao quadro; foi Maria quem o fez.

 

Maria observando Iberê retratar Ígea, no ateliê do bairro Nonoai, Porto Alegre, 1991

 

O gato Martim, Iberê e Maria, na residência do casal, Porto Alegre, 1991

 

Maria na sessão de autógrafos do livro “A gravura”, de Iberê Camargo, no Centro Municipal de Cultura de Porto Alegre, novembro de 1992

 

Maria e Iberê na entrada da residência do bairro Nonoai, Porto Alegre, 1992

 

Com Maria, com a tela, a paleta, as tintas e os pincéis que eram dela, Iberê realizou sua primeira pintura. Com Maria, com a força, a vigília, a resiliência e o amor que eram dela, Iberê deu por concluída sua última pintura.

Muitas vezes, o Iberê acabava de pintar um quadro e já me dizia: “É teu”. Porque ele sabia que, sendo meu, eu não venderia. […] Mesma coisa quando ele faleceu. Eu logo recolhi tudo que tinha em galerias: desenho, gravura, guache, pintura… Fiz tudo voltar pra casa.

 

Maria observa Iberê produzindo um guache, ateliê do bairro Nonoai, Porto Alegre, 1992

 

Iberê e Maria, ao fundo, no ateliê do bairro Nonoai, Porto Alegre, 1993. Foto © Luiz Eduardo Achutti

 

Dr. Jorge Gerdau Johannpeter, Iberê, Maria e Maria Helena Johannpeter na abertura da Bienal Brasil Século XX, Espaço Cultural Edel Trade Center, Porto Alegre, 1994. Foto © Cláudio Bergman

 

Maria e Iberê no ateliê do bairro Nonoai, Porto Alegre, 1994

 

Em 1995, ano seguinte após à morte do artista, Dona Maria, como era chamada por todos, doou toda a sua coleção, composta por mais de 4 mil obras e 20 mil documentos, para a constituição do acervo da Fundação Iberê Camargo. É por causa de Maria, em grande medida, que a instituição existe.

 

Maria, Maria Helena e Dr. Jorge Gerdau Johannpeter, no lançamento do livro “Iberê Camargo”, Museu Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro, 1994

 

No primeiro plano: Mario Carneiro, Maria e Elisa Byington, na Bienal de São Paulo, 1994

 

Grupo de amigas. Da esquerda para a direita: Hortense da Costa Franco Medeiros, Inah Medeiros, Zilda Caldas, Maria Coussirat Camargo (em pé) e Izar Casado de Azevedo, Porto Alegre, 1997

 

Eduardo Haesbaert, assistente de Iberê em seus últimos anos de vida, e Maria em sua residência, Porto Alegre, c.2000

 

Maria Coussirat e o arquiteto português Álvaro Siza, em coletiva de imprensa para inauguração do novo prédio da Fundação Iberê Camargo, Porto Alegre, maio de 2008. Foto © Mathias Cramer

 

“Sombra e luz de Iberê”, nas palavras de Paulo Herkenhoff, Maria faleceu no dia 25 de fevereiro de 2014, aos 98 anos. No seu velório, realizado no átrio da fundação pela qual ela tanto lutou, lá estava ela: Solidão, síntese e essência.

 

Iberê e Maria na residência do bairro Nonoai, Porto Alegre, 1993. Foto © Mathias Cramer

 

A profundidade da relação entre o casal pode ser aferida nos textos que dedicaram um ao outro.

Iberê dedica a Maria o poema “Depois”, escrito em 1940:

Quando eu estiver deitado na planície, indiferente às cores e às formas, tu deves te lembrar de mim. Aí, onde a planície ondula, a terra é mais fértil. Abre com a concha da tua mão uma pequenina cova e esconde nela a semente de uma árvore. Eu quero nascer nesta árvore, quero subir com os seus galhos até o beijo da luz. Depois, nos dias abrasados, tu virás procurar a sua sombra, que será fresca para ti. Então no murmúrio das folhas eu te direi o que meu pobre coração de homem não soube dizer.

 Maria escreve a Iberê, em 1985:

Sigo-te passo a passo, quase como a tua sombra. Há mais de quarenta anos, dividimos alegrias e tristezas. Entre nós, tudo foi e é repartido. Teu mundo tornou-se o meu mundo. Teus amigos são meus amigos. Tuas preocupações também são as minhas preocupações. Iberê, temos um só coração, um só modo de sentir o mundo. Nunca te vi esmorecer. Sempre trabalhaste com a paixão dos escolhidos. Não te poupaste para alcançar o absoluto na Arte. 

Sinto-me feliz em ser a tua companheira e compartilhar a tua caminhada.

  


 

Cronologia baseada no texto “Maria Coussirat Camargo e a vigília da memória”, escrito por Paula Ramos para o catálogo da exposição Iberê Camargo: O Fio de Ariadne em março de 2020. Todos os depoimentos de Maria Camargo reproduzidos são oriundos de entrevista concedida à autora, a 12 de agosto de 1999.

Todos os documentos integram o Acervo da Fundação Iberê.

As obras produzidas por Maria Coussirat Camargo encontram-se preservadas na Fundação Iberê e disponíveis no link.

Todos os esforços foram feitos para reconhecer os direitos morais, autorais e de imagem. A Fundação Iberê Camargo agradece qualquer informação relativa à autoria, titularidade e/ou outros dados que estejam incompletos nesta edição, e se compromete a incluí-los nas futuras atualizações.

Live do dia 09/05 com Paula Ramos: “Maria Coussirat e a vigília da memória”

Live do dia 11/04 com Denise Mattar e Gustavo Possamai, curadores da exposição “O Fio de Ariadne” a ser inaugurada após a quarentena